Teatro e dança contemporânea – Uma entrevista com a cubana Diana Mary Cano Rodríguez

M:  Estou muito feliz em falar contigo no Terra Literaria. Gostaria de saber um pouco sobre tua vida. Quem é Diana? Como você se define?

D: Também estou muito feliz com a entrevista, deste contato com Terra Literária, muito obrigada pelo convite. Bem, Diana é uma jovem artista cubana.

M: Me fala um pouco sobre sua trajetória profissional. Você é formada em teatro e dança contemporânea, certo? Por que o teatro e depois a dança? Como se dá esta relação? Você atua? Escreveu ou ainda escreve algum texto para o teatro ou produz coreografia?

D: Na verdade, a dança veio primeiro. Aos 12 anos, comecei a estudar dança na Escola Profissional de Arte de Las Tunas, minha cidade natal. Foram três anos completamente dedicados à especialidade, mas no último ano não passei no exame para o Nível Médio. Quero dizer, eu não poderia seguir os estudos de dança. Foi uma grande decepção, muito dolorosa para mim. Mas a vida me preparava uma surpresa. Nesse mesmo período, fiz o teste para a escola de teatro e fui aprovada, sem nenhum prognóstico. A adaptação foi difícil, estando em outra cidade, Bayamo, longe da minha família pela primeira vez, tudo era novo para mim. No começo, me senti um pouco perdida e assustada. Então, eu me apaixonei pela representação neste jogo infinito que é teatro. No final dos meus estudos, fui membro por dois anos do grupo Huella Teatral em Las Tunas, mas senti que precisava me aperfeiçoar. Por isso, me atrevi a fazer o vestibular da Universidade de Artes de Cuba, na especialidade da dança contemporânea. Foi um retorno a esse amor que nunca me deixou, porque em cada uma das minhas caracterizações para o teatro, a fisicalidade tinha um grande peso. E desde então minhas duas paixões são uma: a dança do teatro. Tive a oportunidade de trabalhar com diversos diretores de dança e teatro em Havana, o que me permitiu aprender diferentes técnicas e métodos que usei ou interpretei para minhas próprias criações coreográficas. No momento, estou na criação de um projeto em Guadalupe, na parte investigativa, momento crucial para desenvolver a ideia que tenho.Enquanto estamos em Las Tunas, estamos trabalhando em um novo projeto de dança contemporânea com jovens formados em várias escolas de arte do país. 

foto buby
"Nadar en seco", 2016. Teatro B. Brecht // Foto: Cortesia da entrevistada

M: De onde vem a inspiração? Tem autores ou textos que motivam você de maneira especial?

D: A inspiração para minha coreografia veio inicialmente do teatro, por exemplo, de minha peça favorita: Nuestra Señora de las nubes, de Arístides Vargas. Um texto maravilhoso, cheio de imagens poéticas que me permitiram criar duas peças. Mais tarde, com estudos teóricos na universidade, conheci o trabalho de diferentes autores que me influenciaram como artista. Exemplo: Pina Baush e Jérome Bel. O cinema e a história de Cuba também me inspiraram.

M: Que temáticas ou situações têm te inspirado? Com que conceitos você trabalha e como se dá seu processo criativo? Que elementos você considera importantes em suas obras? A quem se destinam?

D: Os temas sempre foram diferentes e tiveram como ponto comum a humanidade. Tem havido problemas inerentes ao ser humano em qualquer época ou lugar: medo, guerra, esquecimento, memória, identidade, conformidade, inconformidade etc. Para criar, preciso ter motivação. Às vezes, é algo que li, ouvi ou vi; mas o interesse está crescendo para investigar cada vez mais sobre esse tópico. Posso fazer associações com outros tópicos que já existem e ter uma resposta ou sair quando me juntar a eles e formar uma história ou dizer alguma coisa. É importante para mim expressar seja uma ideia, um sentimento ou uma preocupação. Não estou interessada em movimento por movimento, nem no virtuosismo dos dançarinos, mas na interpretação deles. O público a quem meus trabalhos se destinam é para todos que o veem, não trabalho para um espectador específico.

M: Como é a relação corpo, movimento, atuação? Como você se sente diante da plateia/palco?

D: O que eu sempre sinto é tanto medo, que fico muito nervosa antes de começar qualquer performance de qualquer tamanho. Estou sempre preocupada que tudo saia o melhor possível. Eu exijo muito de mim mesma, nunca estou feliz no final das minhas apresentações. Não gosto de me ver nos vídeos porque só consigo ver erros ou porque sinto que poderia ter feito melhor. Mas há um momento em que o nervosismo inicial passa e eu fico relaxada, que é quando começo a me divertir. Faz um buraco escuro onde o tempo não passa e eu me deixo ir. Para ser honesta, nem sempre me sinto assim, só que em algumas ocasiões, às vezes, estou muito consciente do que está acontecendo. É um pouco louco, mas posso estar dizendo um texto ou dançando, estou pensando sobre questões técnicas, nas reações do público ou autorretificação. Tudo isso acontece em questão de segundos e eu sinto meus pensamentos e meu corpo tornando-se independentes. É muito estranho na verdade, mas não me assusta. Eu gosto disso.

FB IMG 1584743465350
Apresentação "Lectures de femmes" da Companhia Aw Total. Jornada pelo dia internacional dos direitos das mulheres. Associação Solidarité femmes de Guadeloupe. 14 de março de 2020// Foto: Cortesia da entrevistada

M: Você trabalha com outras pessoas, não é? Você(s) já fizeram apresentações em Cuba ou em outro pais? Quais?
D: No momento estou em Guadalupe e trabalho com um projeto com um grupo de mulheres que estão interessadas em fazer teatro. Durante o Dia Internacional das Mulheres, preparamos uma leitura teatral à qual também acrescentamos a expressão corporal. Utilizamos teu poema Terra Livre, que foi apresentado em português como originalmente escrito e também em crioulo, graças à tradução de um professor e amigo do grupo. O texto tem infinitas imagens que deram lugar a composições físicas entre os quatro intérpretes. Foi uma boa experiência porque eu precisava fazer variações e encontrar novos métodos para trabalhar com essas mulheres que não têm formação profissional, mas que têm um grande talento e, acima de tudo, um grande desejo de fazer.
M: Que significado o teatro, a dança ou ambos têm na sua vida?
D: Eles são, como eu disse, minhas paixões, meus amores, minha linguagem para expressar ao mundo o que eu penso e sinto como parte deste universo.

Seguir viviendo, 2014

M: Como mulher, jovem e negra, de que maneira estas três categorias se relacionam no seu trabalho?

D: Estas categorias estão sem dúvida ligadas de uma forma ou de outra ao meu trabalho. Às vezes, como inspiração, às vezes, como temas sobre os quais gostaria de refletir. No meu trabalho coreográfico, tenho trabalhado em várias ocasiões com temas relacionados às mulheres, suas experiências e à sociedade. Por exemplo, uma de minhas coreografias colocou a dançarina (neste caso, eu mesma) em uma situação que sugeria o desenraizamento e o esquecimento em que milhares de meninas e mulheres vivem em todo o mundo devido à prostituição. 

Da mesma forma, como jovem, tenho preocupações que gosto de discutir a partir dos meus trabalhos. Como nós, jovens, vemos o lugar onde vivemos, o que podemos fazer para mudar as situações que não são certas, em suma, que responsabilidades temos.

E eu sou negra desde que nasci, por isso vivenciei o positivo e o negativo que esta raça experiencia. Às vezes, tenho sido menos consciente que outros, mas sem dúvida, são marcas que fazem de mim quem eu sou. De dentro de mim vêm aquelas vozes que se tornam personagens e movimentos que sempre terão o meu carimbo pessoal.

M: Existem, em Cuba, muitas mulheres ocupando este espaço e seguindo carreira profissional como artistas de teatro ou dançarinas? É possivel viver desta profissão?

D: Sim, em Cuba, há milhares de mulheres artistas, atrizes, dançarinas, com alto nível profissional. A questão financeira é um problema que todos nós temos na ilha, não só para os trabalhadores culturais. Eu, por exemplo, tenho conseguido me sustentar em Havana, onde, como toda capital, a vida é mais cara que no resto do país, porque trabalho como atriz, dançarina, coreógrafa e professora. No final, fazer tudo isso me permitiu aprender e crescer como profissional. Claro que nem tudo é felicidade. Às vezes você tem que trabalhar nos setores comercial e turístico para ser bem paga, mesmo que não goste deles.

M: Você tem encontrado dificuldades por ser mulher e artista?

D: Posso dizer em resumo que estudei e me preparei com muito esforço e dedicação para ser melhor a cada dia no que gosto de fazer. Sempre tive o apoio incondicional da minha família, pois desde que nasci acreditava que eu era artista. Eu não sei se eles estão certos, mas a verdade é que a arte é minha paixão e é o que eu sempre quis fazer.

Facebook
WhatsApp
Telegram
Twitter
Print
Email

Artículos relacionados // Artigos relacionados