archivo

image0

Poesia e Arte de Andréa Zemp Nascimento

Andréa Zemp Nascimento é brasileira, casada e mãe de Tainá e de Cauan. Cresceu na cidade de Barra Bonita, interior de Sao Paulo, e tem raízes em João Pessoa/Paraíba. É formada em arquitetura e mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), com mestrado em Mediação de Arte e Cultura pela Escola Superior de Artes de Zurique ZHdK. Andréa é autora do livro “A criança

leer más // leia mais »
Margarida Cover Blog

Margarida Costa de Lima – uma escritora do sertão da Paraíba

Biografia Pedagoga, 83 anos,  Margarida Costa de Lima se revela como mais uma escritora paraibana contemporânea. Filha de Amanda de Oliveira Costa e Laudemiro Costa, nasceu em Catolé do Rocha, em 16 de agosto de 1939, sendo a sétima filha de uma família numerosa de 13 irmãs e irmãos. Lá, iniciou o ensino fundamental, concluindo a quarta série no Grupo Escolar João Suassuna e, em 1960, concluiu o ensino médio

leer más // leia mais »
IMG 20220910 1627242

A feira do M Boi Mirim

Entre os sete e oito anos de idade, minhas irmãs e eu íamos a poucas festas. Morávamos no meio do mato junto com os vagalumes, sapos e corujas. Encontrar com outras gentes que não fossem da família era possível só nas novenas de quaresma, marianas e natalinas. Bolos, Ksucos e mortadelas não faltavam na casa das beatas do vilarejo. A reza virava festa! Mas, meu divertimento preferido era ir para

leer más // leia mais »
IMG 20220628 WA0032 2

O tecno patriarcado midiático

Sandra Raquew Azevêdo      Que o remake de Pantanal tem sido fenômeno de audiência, muitos de nós sabemos. O que a gente não pára muito para refletir é como os estereótipos de gênero estão tão imbricados nessa narrativa. Comecei a assistir a novela para rever a paisagem do Pantanal, por ter vivido em Mato Grosso. A maior parte das pessoas que vive no país não conhece o ecossistema do Pantanal,

leer más // leia mais »
a velhice

A velhice aos olhos de Joana

O divertimento são os olhos. Era tanto do filho! Eu trabalhava para cuidar de dez filhos. Trabalhava de enxada, criava peru, plantava algodão. Fiquei sabendo do ocorrido. Ele era um homem muito duro. Jesus lhe perdoe a culpa. A família tinha muito medo dele. Ele não era um homem fácil, não! Coitadinha da minha irmã. Ai, meu deus! Deus o levou!Coitadinha de minha irmã. O que será dela agora? Coitadinha

leer más // leia mais »
alessandro porri DaZImgRpDm0 unsplash scaled

Madame Toscana

Com um  cartão magnético abri a porta do quarto. Entrei, um susto! Um quarto de “madame”! Não que ele fosse chique, com requintes de nobreza. O quarto-suíte, por cinco noites, era  totalmente meu! Atirei-me sobre a cama, o corpo ficou pequeno sobre ela. Espreguicei-me todinha. Agora tinha um quarto todo meu. Já não era mais beliche, outros pés me chutando, outros corpos puxando os lençóis, outras cabeças roubando os travesseiros… brigas,

leer más // leia mais »
daniele levis pelusi Vey6fioB1eI unsplash scaled e1639779844593

Lazarito

Al altar de San Lázaro lo cubre una manta de satín violeta con ribetes dorados que se desliza a lo largo de los cuatros niveles que alcanzan casi el techo de la vivienda. En el primer nivel, justo en el piso, hay palanganas con agua y yerbas aromáticas. Luego le siguen las naranjas, rechonchas y algún que otro coco cortado a la mitad. En el medio comienzan las velas, muchas

leer más // leia mais »
IMG 20210929 WA00341

Agostinha Vieira de Mello uma monja-poeta

Durante minha morada em João Pessoa, eu tive o privilégio de conhecer e desfrutrar momentos gratificantes com Agostinha Vieira de Mello, uma monja beneditina, bíblista e poeta. Uma bela monja-amiga e inspiração para nós Chimalmans – um grupo de mulheres estudantes de teologia (eco)feminista e de vivência da espiritualidade. Agostinha era uma monja especial, admirável que nos cativava com seu jeito amoroso de ser, pela escuta e por sua capacidade

leer más // leia mais »

Catherine Zuaznabar (YoutubeVideo y Podcast)

La bailarina cubana Catherine Zuaznabar, primera figura del Ballet Béjart de Lausanne y del Ballet Nacional de Cuba, conversa con Dianela Cano Rodríguez en este episodio de Terra Literaria, sobre la relación del bailarín con su cuerpo, de su regreso a la escena luego de algunos años de descanso y sobre sus más recientes proyectos artísticos.  – El audio completo de la entrevista puedes escucharlo también en nuestro podcast – 

leer más // leia mais »
hhhj

Catherine Zuaznabar, de La Habana a Lausanne, a Renens

Renens es la próxima estación luego de Lausanne. Podría decirse a primera vista que es un pueblo pequeño, una barriada, pero en realidad es uno de los distritos más poblados del cantón Vaud. Ese día, por las predicciones de tormenta local pronosticadas, la estación del tren estaba semidesierta. Aún así, podría decirse, había bastante movimiento. Catherine me había comunicado en su último mensaje de WhatsApp que me esperaría allí mismo,

leer más // leia mais »
7244675740 016eed4d9a k

Candida Magalhães – o sertão que habita em mim

No mês de julho, tivemos o prazer de entrevistar  a escritora cearense e feminista, Candida Magalhães.  Neste episódio do Podcast, Candida nos conta um pouco sobre suas andanças, experiências e de sua relação com a tessitura da escrita. Entre uma conversa e outra, ela nos presenteia com a leitura de algumas poesias. Gratidão Candida, por esta conversa prazerosa! Candida, nasceu em 7 de abril de 1946, no sítio Tipi, município

leer más // leia mais »
IMG 20210624 WA0048

Vera Lima – Poesia e Teimosia

Vera Lima, poeta e artista brasileira – paraibana em entrevista para o Podcast do Terra Literária fala sobre sua relação de amor com a Literatura: “Eu tenho prazer em ler. Eu gosto das palavras. Tenho curiosidade pelo jeito que os escritores e escritoras falam na sua escrita”. Vera é uma apreciadora da Literatura de Cordel.  Sua herança poética vem da avó Cecília – que era uma cordelista – e influência

leer más // leia mais »
bbbbbbb

Mariama

Mariama se sienta detrás de la pequeña mesa que le sirve de oficina en su negocio. La mesa está llena de memorias: souvenirs, papeles cortados a mano con informaciones importantes subrayadas en rojo y algunas fotos. Sobre ella descansa también un teléfono inalámbrico desgastado por el uso. En el verano, la puerta del local se mantiene abierta y deja correr un poco de aire que baja desde la Plaza de

leer más // leia mais »
erol ahmed fhWNnHmW40Y unsplash

Trapos ensangrentados y la muerte del puerquito

Hoy yo no voy a la escuela. Estoy enferma. Abuela y Tía me escucharon sorprendidas como quien de repente no reconoce a la persona que tiene delante de sus ojos. Ellas lo saben. Nunca fui de las que se buscaron excusas para faltar a clases. En realidad, la escuela siempre me gustó, incluso, a pesar del bullying. Pero esta vez era diferente, me estaba muriendo, mejor dicho me estaba desangrando.

leer más // leia mais »