Nordeste

Candida Magalhães – Migrante e Travessias

 

Duplamente migrante do tempo e do espaço, mudança da moradia rural para a cidade pequena, já se registra uma diferença crucial nos modos de vestir, nas escolas com carteiras individuais com cadeiras com encosto para as costas, em contraste com os bancos de madeira longos sem encostos e mesas para apoiar os braços durante a escrita, nas escolas rurais.

As moradias próximas umas das outras, muitas ruas e vários comércios de utensílios, comidas, roupas, serviços médicos e dentários, aparelhos de TV branco e preto nas casas de pessoas mais ricas e telefones fixos que era um artigo muito caro e inacessível a um grande número de famílias.

O deslocamento dessa infância de brinquedos inventados onde a imaginação e a criatividade andavam juntas, a ausência de nenhum comprado contribuía para isso. Os balanços pendurados nas arvores substituíam os parques. A brincadeira de roda segurada nas mãos e rodadas intensas substituíam a roda gigante. Passa anel, adivinhação, queima, carimba, cobra cega, esconde-esconde.

Nunca existiu papai Noel, mas o pai ia a cidade mais próxima e comprava tecido para roupas novas para meninos e meninas e esposa, e a medida era feita num cordão, tudo para ser usado em ocasiões especiais, festas e passeios. Nesse período também entrava um item desconhecido para saborear – o pão de trigo, porque diariamente comia-se cuscuz, tapioca, batata doce, macaxeira e inhame.

As comidas eram feitas: bolo de milho, pão de ló, pão recife, bolo de mandioca. Delícias da cozinha sertaneja. Era época de soltar balão. Seu Chico Luís, o mestre responsável da confecção dos balões coloridos, que ganhavam o céu do sertão. Tudo isso aguçava a imaginação das crianças que desejavam passear no céu sentados nos balões vendo as estrelas e os planetas. Que grandes mestres! Dezim encantava com as histórias do seu imaginário o teatro de boneco que era chamado de Babau. Criava histórias de coronel, homem valente, namoro e amores impossíveis. Verdadeiro representante da cultura popular com sabedoria extraída do cotidiano e a memorização, a estória oral em exercício pleno. Ele também era responsável pela gastronomia da casa, em parceria com a dona da casa, mãe das crianças, sua patroa. Não gostava do trabalho na roça, só queria saber do trabalho doméstico.

A filha mais velha sonhava com outros lugares onde houvesse trabalho e estudo e ganhos. Foi nesse itinerário que seguiu quando surgiu a oportunidade de uma casa na cidade que precisava de uma pessoa que cuidasse de duas crianças, arrumasse a casa e lavasse os pratos. Em troca dispunha de horário para estudar. Cursou a quinta série, mas teve que voltar para a roça com a seca de 1958 que abalou a vida da família. Morte de animais, plantações esturricadas por falta das chuvas, os irmãos mais velhos trabalhando nas Frentes de Serviços do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas no Nordeste (DNOCS). Em pagamento desse trabalho recebiam cestas básicas compostas de arroz, feijão, milho, açúcar e café. Um cenário de clima hostil, rudez, miséria e sofrimento.

Com as chuvas no ano 60, a família migrou para a cidade vizinha para os filhos estudarem e trabalhar, já que a vida na roça se tornava difícil com a queda de produção de produtos agrícolas, período que teve início o uso de defensivos químicos, adubos, uso de maquinas e incentivo à produção de cana de açúcar e agropecuária. O sistema de moradores que tinham casa e terra para pequeno plantio entra em declínio. Muitos trabalhadores rurais migraram do campo para a cidade. Esse tempo demarca o inchaço das cidades e o surgimento de problemas sanitários como esgotos a céu aberto, água potável e a proliferação de favelas.

Finalmente, a metrópole, lugar agitado, muito grande, com prédios e casas e um trânsito assustador de carros, ônibus, trens e metrô. A explosão do telefone celular populariza o consumo e não há quem não compre um variando só a tecnologia, avançada e de última geração e outra que não é tão avançada, mas que permite a comunicação entre as pessoas. O que se vê é a massificação da telefonia móvel.

A vida na cidade grande sofre profunda mudança quando a moradia é vertical, distante do chão e com vizinhança de portas fechadas, resumindo-se a cumprimentos formais quando se cruzam nos corredores, escadas ou elevador. É um distanciamento que no início assusta e emocionalmente agride.

Um novo ciclo da vida tem início em clima de saudades das paisagens mais tranquilas, vizinhança amiga e solidária, um retrato embaçado no tempo e nos novos caminhos que se apresentam, traçando um paralelo de uma viagem cujo veículo ganha velocidade aumentando assustadoramente a distância.

 

 

Esta imagem é uma foto tirada do quadro da parede da casa de meus sogros.  O quadro está assinado com o nome de Inês T. O quadro da artista foi comprado na feira de artesanato da República, em São Paulo, na década de 70. Tentei localizar a artista nas redes sociais, porém sem êxito. Aprecio muito sua arte. 

Artículos recientes /// Artigos recentes

arte Cyane Pacheco

O vestido que não cabia

Ela se vestia sempre com calças compridas ou macacão e usava uma jaqueta jeans. Odiava se vestir de menina, passar ruge nas bochechas e se sentar de pernas fechadas. De cabelos curtinhos e com aquele jeito diferente de se comportar

Leer más // Leia mais »
IMG 20201231 WA0046

Nosso Sarrau Poético!

O que é um sarau? Essa forma de reunir pessoas em torno da palavra escrita vestida de oralidade, tons e interpretação. E entregou às narrativas feministas mais uma ferramenta de autorreflexão e escuta afetiva. E o que seria, então, num

Leer más // Leia mais »
jan tinneberg tVIv23vcuz4 unsplash 1 scaled

Por onde anda Isolda?

Ela andava como se tivesse desfilando pela avenida do sambódromo da Marquês de Sapucaí. Tinha um gingado próprio de dar inveja a todas as outras moças da periferia, onde cresceu junto com sua família de samba no pé. A mãe

Leer más // Leia mais »
Dianela

Segundas oportunidades

No creo en segundas oportunidades, había dicho. Y sabía que con sólo pensarlo estaría obligándose a no confiar jamás en nadie, o lo que era peor a dejar de creer en el otro. Pasarían los años. Pasarían varias personas más

Leer más // Leia mais »
blog Malu setembro2020 2

Una carta para no olvidar

Río de Janeiro, 20 de septiembre de 2020. Querida Malu, Olvidé lo que era escribirle a alguien, en seis meses sólo escribí lo que estaba destinado a los polvorientos cajones o cajas en el estante. Y la mayor parte de

Leer más // Leia mais »
blog Malu setembro2020

Uma carta pra não esquecer

Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2020. Querida Malu, Esqueci como era escrever para alguém, em seis meses só escrevi o que tivesse como destino as gavetas ou caixas empoeiradas da estante. E textos de trabalho. E a maior

Leer más // Leia mais »
turrones 4

Turrones de coco rallado

Me cubro la cabeza con la sábana y juego a no despertarme. Imagino que todos me suponen dormida y me divierto adivinando lo que sucede a mi alrededor mientras no estoy. No sé qué hora es, seguramente pasadas las diez.

Leer más // Leia mais »
gotas de felicidade

Gotas de felicidade

Era o meu primeiro inverno, em Liechtenstein. Os flocos de neve caiam sem cessar, tudo estava branco: as árvores, o chão, os telhados das casas… Enquanto eu esperava, na estação de trem, que me levara para o outro lado da

Leer más // Leia mais »
Memórias dos avós

Portais de Memórias

Neste verão de janeiro de 2019, decidi voltar ao lugar de minhas lembranças: o sítio do “Barro Preto”, Rio Grande do Norte, onde viviam meus avós, por parte materna. Pela janela da Kombi velha que me levara por aquelas estradas

Leer más // Leia mais »
gift habeshaw SKICLmVW eg unsplash  las 4 y 20

Las 4 y 20

  A las 4 y 20 terminaban las clases, quizás un poco después. Si algún profesor del 5to turno se quería hacer el gracioso podía dejarnos hasta mucho más tarde, lo que significaba en horario normal: llegar de noche a

Leer más // Leia mais »