IMG 20210327 WA0009

A Poética de Dora Martins

Me encontra

Eu sempre quero mais .

Estou sempre a buscar

Seu olhar vermelho frenético..

Sinto o prazer do toque de suas mãos penetrar minha alma.

Nossos corpos se estremecem.

Nos lençóis:

ruídos … abraços… beijos… e o silêncio.

Como se sente?

O sol já nasceu.

Verão

No calor atenuante do verão a tarde me consome

Bebo o drink de seus lábios.

forte como fel e doce como mel.

Inebriante.

O tempo que passa me aproxima de você.

O calor me consome

A tarde é atenuante.

Poesia do Tempo

Já deixei minha poesia

percorrer seu corpo.

Já deixei minha mágoa.

Guarde sua saudade,

 

Leve-me daqu

(pequenas lembranças….)

Deixe-me ser criança

como ontem… e buscar os seus desejos.

 

Não importa a boca

que guardou seus beijos

mas o silêncio que os meus

lábios possam possuir.

             

Não importa a minha revolta

se preciso for para ser os seus segredos

mas deixe-me apenas desfrutar dessa magia

que é encontrar no seu íntimo e desfrutar

da verdadeira sensação loucura que é você.

 

Eterno

É preciso que a morte faça sua trilha

perfeita, exatamente leve como a brisa;

p’ra sentir-se misteriosa.

 

É preciso que o vento leve

toda sorte desapercebida,

Toda dor sentida….

Toda alegria ressentida.

 

É preciso ter coragem,

abrir a porta da frente

e jogar-se na avenida.

 

É preciso ser forte …

para ver tantas mazelas;

nesse Brasil desumano…

onde existe os que morrem sem culpas.

 

Dos que enlouquecem o insensato.

 

É preciso ter coragem,

vendo corvos e urubus… que negam o óbvio;

quando a vida era possível.

 

É preciso ter coragem,

Para acreditar que vamos sobreviver

E tudo vai recomeçar!

Caos emocional

Nem tudo é como queremos.

Nada é perfeito.

Tudo é imperfeito.

O mundo está um caos

e você quer poder!

 

O mundo clama por igualdade.

Eu tento entender.

Ouço voz!

Ouço gritos….

Ouço lágrimas.

 

Escuto os órfãos por todos os lados.

Das covas fechadas escuto o silêncio.

 

Imagens ruídas veem de todos os lugares.

São lembranças ou pesadelo???

O que você fez?

O que você causou ?.

 

Vidas se foram.

Quanta dor.

Meu peito chora.

 

A chuva que chega é vermelha.

Ela sangra…

Estou tonta.

Meus olhos calaram… sinto vertigem.

Não respiro.

IMG 20210325 WA0012 e1617217204709

Artículos recientes /// Artigos recentes

Primer aniversario//Primeiro aniversário

https://youtu.be/kQwSZiMVgpk Terra Literaria celebra hoy su primer aniversario y quisimos celebrarlo con este video donde conversamos sobre esta linda experiencia. Muchas gracias a ustedes lectoras y lectores, a nuestras colaboradoras y a todas las personas que nos apoyado en este

Leer más // Leia mais »
arte Cyane Pacheco

O vestido que não cabia

Ela se vestia sempre com calças compridas ou macacão e usava uma jaqueta jeans. Odiava se vestir de menina, passar ruge nas bochechas e se sentar de pernas fechadas. De cabelos curtinhos e com aquele jeito diferente de se comportar

Leer más // Leia mais »
IMG 20201231 WA0046

Nosso Sarrau Poético!

O que é um sarau? Essa forma de reunir pessoas em torno da palavra escrita vestida de oralidade, tons e interpretação. E entregou às narrativas feministas mais uma ferramenta de autorreflexão e escuta afetiva. E o que seria, então, num

Leer más // Leia mais »
jan tinneberg tVIv23vcuz4 unsplash 1 scaled

Por onde anda Isolda?

Ela andava como se tivesse desfilando pela avenida do sambódromo da Marquês de Sapucaí. Tinha um gingado próprio de dar inveja a todas as outras moças da periferia, onde cresceu junto com sua família de samba no pé. A mãe

Leer más // Leia mais »
Dianela

Segundas oportunidades

No creo en segundas oportunidades, había dicho. Y sabía que con sólo pensarlo estaría obligándose a no confiar jamás en nadie, o lo que era peor a dejar de creer en el otro. Pasarían los años. Pasarían varias personas más

Leer más // Leia mais »
blog Malu setembro2020 2

Una carta para no olvidar

Río de Janeiro, 20 de septiembre de 2020. Querida Malu, Olvidé lo que era escribirle a alguien, en seis meses sólo escribí lo que estaba destinado a los polvorientos cajones o cajas en el estante. Y la mayor parte de

Leer más // Leia mais »
blog Malu setembro2020

Uma carta pra não esquecer

Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2020. Querida Malu, Esqueci como era escrever para alguém, em seis meses só escrevi o que tivesse como destino as gavetas ou caixas empoeiradas da estante. E textos de trabalho. E a maior

Leer más // Leia mais »
turrones 4

Turrones de coco rallado

Me cubro la cabeza con la sábana y juego a no despertarme. Imagino que todos me suponen dormida y me divierto adivinando lo que sucede a mi alrededor mientras no estoy. No sé qué hora es, seguramente pasadas las diez.

Leer más // Leia mais »
gotas de felicidade

Gotas de felicidade

Era o meu primeiro inverno, em Liechtenstein. Os flocos de neve caiam sem cessar, tudo estava branco: as árvores, o chão, os telhados das casas… Enquanto eu esperava, na estação de trem, que me levara para o outro lado da

Leer más // Leia mais »
Memórias dos avós

Portais de Memórias

Neste verão de janeiro de 2019, decidi voltar ao lugar de minhas lembranças: o sítio do “Barro Preto”, Rio Grande do Norte, onde viviam meus avós, por parte materna. Pela janela da Kombi velha que me levara por aquelas estradas

Leer más // Leia mais »